• Home
  • Media
  • Notícias de Portugal
  • Estudo de fase 3 QuANTUM-R demonstra que o Quizartinib, da Daiichi Sankyo, prolonga significativamente a sobrevida global como agente único em comparação com a quimioterapia, em doentes com Leucemia Mieloide Aguda reincidente/refratária com mutações no ge

Estudo de fase 3 QuANTUM-R demonstra que o Quizartinib, da Daiichi Sankyo, prolonga significativamente a sobrevida global como agente único em comparação com a quimioterapia, em doentes com Leucemia Mieloide Aguda reincidente/refratária com mutações no ge

Estudo de fase 3 QuANTUM-R demonstra que o Quizartinib, da Daiichi Sankyo, prolonga significativamente a sobrevida global como agente único em comparação com a quimioterapia, em doentes com Leucemia Mieloide Aguda reincidente/refratária com mutações no ge

  • Dados do estudo QuANTUM-R foram apresentados durante a sessão plenária do 23º Congresso da European Hematology Association (EHA)
  • Quizartinib é o primeiro inibidor de FLT3 a prolongar a sobrevida global como um agente isolado comparado à quimioterapia em doentes com Leucemia Mieloide Aguda (LMA) reincidente/refratária com mutações no gene FLT3-ITD, uma forma muito agressiva da doença associada a um prognóstico desfavorável
  • Existe uma grande necessidade médica não satisfeita na LMA reincidente/refratária, uma vez que as opções de tratamento disponíveis são limitadas; atualmente, não existem terapias dirigidas aprovadas para doentes com LMA reincidente/refratária com mutações no gene FLT3-ITD
  • Os resultados do estudo global QuANTUM-R serão a base das submissões regulatórias para o Quizartinib, o principal agente investigado na área da LMA pela Daiichi Sankyo

21 de junho de 2018 – A Daiichi Sankyo Company anunciou que os resultados positivos do estudo de fase 3, QuANTUM-R, com o agente único quizartinib, foram apresentados na sessão plenária do 23º Congresso da European Hematology Association (EHA) em Estocolmo, Suécia.

Os resultados do estudo QuANTUM-R demonstraram que os doentes com leucemia mieloide aguda (LMA) reincidente/refratária com mutações FLT3-ITD que receberam o agente único quizartinib tiveram uma redução de 24% no risco de morte em comparação com os doentes que receberam quimioterapia de resgate (taxa de risco [TR] = 0,76, P = 0,0177, 95% CI 0,58-0,98). A média da sobrevivência global foi de 6,2 meses (95% CI bilateral 5,3-7,2) para doentes tratados com quizartinib e 4,7 meses (95% IC bilateral de 4,0-5,5) para doentes tratados com quimioterapia de resgate. A probabilidade de sobrevida estimada em um ano foi de 27 por cento para doentes que receberam quizartinib e 20 por cento para doentes que receberam quimioterapia de resgate.

“A LMA com mutações no gene FLT3-ITD representa uma área com grandes necessidades ainda sem resposta, pois os doentes com esta forma agressiva da doença têm um prognóstico geralmente sombrio, evidenciado por uma baixa taxa de resposta às terapias atuais disponíveis, elevado risco de recaída e menor sobrevida geral do que aqueles que não têm essa mutação”, disse Jorge E. Cortes, MD, vice-presidente do Departamento de Leucemia da Divisão de Medicina Oncológica na University of Texas MD Andreson Cancer Center. “Na LMA com mutações FLT3-ITD reincidente/refratária estes resultados representam os primeiros dados clínicos relatados que demonstram que um único agente pode melhorar significativamente a sobrevida global, sugerindo que o quizartinib poderia potencialmente ajudar esses doentes a viver mais tempo. Além disso, uma maior proporção de doentes tratados com quizartinib puderam receber transplante de células estaminais, comparativamente com os que fizeram quimioterapia”.

Análises secundárias importantes, incluindo a remissão completa composta (CRc), são consistentes e suportam a análise primária.

“Os resultados deste estudo são consistentes com os estudos prévios da fase 2 com quizartinib e demonstram o valor da terapêutica dirigida à mutação do FLT3-ITD. Estes dados dão-nos coragem e serão a base para as submissões regulamentares às autoridades de saúde. Se aprovado, o quizartinib tem o potencial de redefinir o tratamento de doentes com LMA reincidente/refratária com mutações no FLT3-ITD”, disse Antoine Yver, MD, MSc, vice-presidente executivo e chefe de pesquisa e desenvolvimento em oncologia da Daiichi Sankyo. “Estes resultados também se baseiam na nossa compreensão da LMA, uma doença difícil de tratar, à medida que continuamos a explorar o papel potencial do quizartinib em combinação com a quimioterapia e outros novos mecanismos para avançar ainda mais o tratamento de doentes com reincidência e recém-diagnóstico de LMA com mutações no gene FLT3-ITD.”

O perfil de segurança observado no QuANTUM-R é consistente com o observado em doses semelhantes no programa de desenvolvimento clínico do quizartinib. A média da duração do tratamento com o quizartinib foi de 4 ciclos de 28 dias (97 dias; intervalo: 1-1, 182 dias) versus 1 ciclo (intervalo: 1-2) no grupo de quimioterapia de resgate. A intensidade média da dose relativa para o quizartinib foi de 89 por cento. A incidência de efeitos adversos emergentes do tratamento foi comparável entre doentes que receberam o agente único quizartinib (n = 241) e aqueles que receberam quimioterapia de resgate (n = 94). Os efeitos adversos mais comuns (>30 por cento, qualquer Grau) em doentes tratados com quizartinib versus quimioterapia, respetivamente, incluíram náuseas (48 vs 42 por cento), trombocitopenia (39 vs 34 por cento), fadiga (39 vs 29 por cento), dor músculo-esquelética (37 vs 28 por cento), pirexia (38 vs 45 por cento), anemia (37 vs 32 por cento), neutropenia (34 vs 26 por cento), neutropenia febril (34 vs 28 por cento), vómitos (33 vs 21 por cento) e hipocalemia (32 vs 28 por cento). Os efeitos adversos mais comuns Grau ≥3 (> 10 por cento dos doentes) foram trombocitopenia (35 vs 34 por cento), anemia (30 vs 29 por cento), neutropenia (32 vs 25 por cento), neutropenia febril (31 vs 21 por cento), leucopenia (17 vs 16 por cento), sepsis/choque sético (16 vs 18 por cento), hipocalemia (12 vs 9 por cento) e pneumonia (12 vs 9 por cento). QTcF> 500 mseg ocorreu em 8 doentes (3,3%) e 2 de 241 doentes descontinuaram o quizartinib devido ao prolongamento do QTcF. Não foram relatados eventos de prolongamento de QTcF de Grau 4 (Torsade de Pointe, morte súbita ou paragem cardíaca).  

Sobre o estudo QuANTUM-R

O QuANTUM-R é um estudo randomizado, global, aberto, de fase 3, que envolve 367 doentes com LMA com mutações no gene FLT3-ITD, refratários ou em recidiva (com duração de remissão de seis meses ou menos) com terapia de LMA de primeira linha com ou sem transplante de células-tronco hematopoiéticas (TCTH). Os doentes foram aleatorizados numa proporção de 2:1 para receber quizartinib oral (60 mg, com 30 mg de chumbo) ou quimioterapia de resgate. O principal objetivo do estudo foi determinar se o agente único quizartinib prolongava a sobrevida global em comparação à quimioterapia.

Sobre o Quizartinib

Quizartinib, o principal agente investigado na área da LMA pela Daiichi Sankyo, é um inibidor oral seletivo de FLT3, atualmente na fase 3 de desenvolvimento, para LMA reincidente/refratária (QuANTUM-R) e recém-diagnosticada (QuANTUM-First) LMA com mutações no gene FLT3-ITD e fase 2 de desenvolvimento, no Japão, para LMA com mutações. 

O quizartinib recebeu a designação Fast Track pela Food and Drug Administration (FDA) dos EUA para o tratamento da LMA reincidente/refratária. O quizartinib também recebeu a designação de Medicamentos Órfãos pela FDA e Agência Europeia de Medicamentos (EMA) para o tratamento da LMA. O quizartinib não foi aprovado para nenhuma indicação em nenhum país. A sua segurança e eficácia não foram estabelecidas.

Sobre Leucemia Mieloide Aguda com Mutações FLT3-ITD

A LMA é um cancro agressivo no sangue e medula óssea que causa o crescimento descontrolado e acumulação de células brancas malignas que não funcionam normalmente e interferem na produção de células sanguíneas normais.1 A taxa de sobrevivência de cinco anos da LMA, relatada de 2005 a 2011, foi de aproximadamente 26 por cento, o valor mais baixo de todas as leucemias.1

As mutações do gene FLT3 são uma das anormalidades genéticas mais comuns na LMA.2 A mutação FLT3-ITD é a mutação FLT3 mais comum, afetando aproximadamente um em cada quatro doentes com LMA.3,4,5,6 Doentes com LMA com mutação do FLT3-ITD têm, no geral, um pior prognóstico, incluindo aumento da incidência de recaída, aumento do risco de morte após reincidência e uma maior probabilidade de reincidência após o TCTH em comparação aos sem essa mutação.7,8

Sobre a Daiichi Sankyo Cancer Enterprise

A missão da Daiichi Sankyo Cancer Enterprise é impulsionar a excelência, promover uma ciência inovadora e ir além do pensamento tradicional para criar tratamentos significativos para doentes com cancro. Dedicamo-nos a transformar a ciência em valor para os doentes, e esse senso de obrigação conduz tudo o que fazemos. Ancorado por três pilares, incluindo a nossa investigação na conjugação de fármacos anticorpos, Leucemia Mieloide Aguda e Ciência Inovadora, o nosso objetivo é oferecer sete novas entidades moleculares distintas ao longo de oito anos, de 2018 a 2025. Os nossos motores de pesquisa incluem dois laboratórios para biológica / imuno-oncologia e pequenas moléculas no Japão, e Plexxikon Inc., um centro de P&D guiado por estrutura molecular em Berkeley, CA. Os compostos no desenvolvimento do estágio principal incluem: DS-8201, uma conjugação de anticorpos-fármaco (ADC) para cancro de mama, gástrico e outros que expressam HER2; quizartinib, um inibidor oral selectivo de FLT3, para leucemia mieloide aguda (AML) recentemente diagnosticada com mutações de FLT3-ITD; e pexidartinib, um inibidor oral do CSF1R, para Tumor Tenossinovial de Células Gigantes (TGCT). Para mais informações, visite: www.DSCancerEnterprise.com.

Sobre a Daiichi Sankyo

O Grupo Daiichi Sankyo dedica-se à criação e disponibilização de produtos farmacêuticos inovadores para a abordagem de diversas necessidades não atendidas de doentes, tanto nos mercados já estabelecidos, como nos emergentes. Com mais de 100 anos de experiência clínica e presente em mais de 20 países, a Daiichi Sankyo e os seus 15 000 colaboradores espalhados por todo o mundo, desenharam sobre um rico legado de inovação um robusto pipeline de novos e promissores medicamentos para ajudar as pessoas. A somar a um forte portfolio de medicamentos para a hipertensão e para alterações trombóticas, a Visão 2025 do Grupo, determina como ambição prioritária tornar a Daiichi Sankyo numa “Farmacêutica Global Inovadora com Vantagem Competitiva em Oncologia”. Neste sentido, o departamento de Investigação e Desenvolvimento da Daiichi Sankyo está antes de mais, focado em trazer novos tratamentos oncológicos, incluindo na área da imuno-oncologia, com um enfoque adicional em novas áreas, como o tratamento da dor, doenças neurodegenerativas, doenças do coração e dos rins e outras doenças raras. Para mais informação, por favor visite: www.daiichi-sankyo.pt

Referências

  1. Leukemia & Lymphoma Society. Facts 2015-2016. 2016.

  2. Small D. Am Soc Hematol Educ Program. 2006;178-84.

  3. Schneider F, et al. Ann Hematol. 2012;91:9-18.

  4. Santos FPS, et al. Cancer. 2011;117(10):2145-2155.

  5. Kainz B, et al. Hematol J. 2002;3:283-289.

  6. Kottaridis PD, et al. Blood. 2001;98(6):1752-1759.

  7. Wagner K, et al. Haematol. 2011;96(5): 681-686.

  8. Brunet S, et al. J Clin Onc. 2012;30(7):735-741.

 

Contatos

Andreia Pinto

RXconsulting

Communication Consultant

andreiapinto@rxconsulting.pt

 

Sonsoles Dorao

Daiichi Sankyo Espanha

Marketing & Iberia Product Communication Manager

Sonsoles.Dorao@daiichi-sankyo.es

 

  • Home
  • Media
  • Notícias de Portugal
  • Estudo de fase 3 QuANTUM-R demonstra que o Quizartinib, da Daiichi Sankyo, prolonga significativamente a sobrevida global como agente único em comparação com a quimioterapia, em doentes com Leucemia Mieloide Aguda reincidente/refratária com mutações no ge
back to top

Acesso do utilizador

Digite aqui seu nome de utilizador e senha para entrar no site: